Excepcionalismo americano e as violações de direitos humanos no pós-11 de setembro

Resumo

A noção de nação norte-americana tem sua pedra de toque na atuação dos pais fundadores e nomodo como estes pensaram o país segundo sua base valorativa. Segundo esse assim chamado “credoamericano”, a sociedade norte-americana seria dissociada e superior às demais pelo fato de ter sidoconstruída por aqueles que desejavam se apartar das condições contrárias aos ideais cristãos da sociedadeeuropeia para constituir um “farol entre os povos.” Tal particularismo cultural, apontando para o que sãoos EUA e o ser norte-americano, está presente em diversos âmbitos da sociedade, como por exemplo, naconstrução da ordem constitucional, nos significados dos direitos humanos e na postura e aplicação dapolítica externa. A realidade do 11 de setembro demonstrou, entretanto, violações de direitos humanoscometidas pela administração federal, seja pela promulgação de leis, seja pela atuação de suas agências.O presente trabalho, dessa forma, pretende compreender a política externa norte-americana para osdireitos humanos do ponto de vista do excepcionalismo e tendo como pergunta central qual tipo derelação – de consonância ou de contradição – existente entre as violações aos direitos humanos ocorridasno âmbito do combate ao terror no pós-11/09 e esse excepcionalismo.
PDF

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Downloads

Não há dados estatísticos.