Adensamento institucional e outreach: um breve balanço do BRICS
PDF

Arquivos suplementares

Carta ao editor
informações dos autores

Palavras-chave

BRICS
segurança internacional
Novo Banco de Desenvolvimento
Sociedade Civil
Outreach

Resumo

O artigo apresenta uma discussão sobre os processos de institucionalização e expansão do BRICS ao longo de suas nove cúpulas, destacando duas áreas temáticas: (i) economia política internacional – particularmente desenvolvimento internacional; e (ii) segurança internacional. A hipótese é a de que o BRICS vem passando por um processo de adensamento institucional, cuja maior expressão foi a criação do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) e do Arranjo Contingente de Reservas (ACR). Nesse processo, embora os temas de segurança internacional ganhem importância crescente, isso se deve às transformações na geopolítica do capitalismo contemporâneo. Além disso, há também um concomitante processo de outreach do BRICS. Nesse contexto, distintos padrões de adensamento institucional do arranjo podem ser notados. Concluiu-se que tanto o destaque das questões de segurança internacional quanto o processo de outreach com relação a outros países sofre uma influência direta do país que hospeda a cúpula. Ainda assim, o adensamento institucional ocorre em larga medida nas questões associadas à economia política internacional e, em particular, à questão do desenvolvimento internacional – uma espécie de “caminho de menor resistência” – embora não se deva perder de vista os avanços ocorridos nas últimas cúpulas nas questões de segurança internacional.
https://doi.org/10.21530/ci.v13n3.2018.727
PDF

Referências

ABDENUR, A; FOLLY, M. O Novo Banco de Desenvolvimento e a institucionalização do BRICS. In: R. Baumann, et. al. BRICS: Estudos e documentos. Brasília: FUNAG, 2015, p. 79-214.

ANDREASSON, S., 2011. Africa’s prospects and South Africa’s leadership potential in the emerging markets century. Third world quarterly, 32(6), 2011, pp. 1165-1181. DOI: 10.1080/01436597.2011.584725

BANDYOPADHYAY, K. K. Civil society engagement in BRICS: Mere symbolism? PRIA. 28 de junho de 2017.Disponível em: https://pria.org/pria/?p=3196. Acesso em: 05.nov.2017.

BEACH, D.; PEDERSEN, R. B. Process-Tracing Methods: Foundations and Guidelines. Ann Arbor: University of Michigan Press. 2013.

BENNETT, A., Process tracing and causal inference. In: BRADY H. E; COLLIER, D. Rethinking social inquiry: Diverse tools, shared standards. 2nd ed. Lanham: Rowman & Littlefield, pp. 207-219, 2010.

BENNETT, A., 2013. The mother of all isms: causal mechanisms and structures pluralism in International Relations theory. European Journal of international relations, 19(3), pp. 459-481. DOI: 10.1177/1354066113495484, 2013.

BRICS INDIA: 2016. 8th Brics Summit: Building responsive, inclusive & collective solutions. Goa. 15 outubro 2016. Disponível em: http://brics2016.gov.in/content/innerpage/8th-summit.php . Acesso em: 28.abril.2016.

BRICS BUSINESS COUNCIL. Annual Report. 2013/2014. Disponível em: http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2014/07/15/6862/BRICSBusinessCouncilAnnualReportDRAFT6-11JulySignature.pdf. Acesso em: 28.abril.2017.

BRICS BUSINESS COUNCIL. Facing challenges, building confidence. Second Annual Report 2015-2016. Disponível em: http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2015/07/09/9148/BRICSRelatrioAnual.pdf. Acesso em: 28.abril.2017.

BRICS BUSSINESS COUNCIL. Members of the Brazilian BRICS business council, 2016. Disponível em: https://www.bricsbusinesscouncil.in/bbc-brazil.php. Acesso em 28.abril.2017.

CARVALHO, C. E., et all. O banco e o arranjo de reservas do BRICS: iniciativas relevantes para o alargamento da ordem monetária e financeira internacional. Estudos Internacionais, 3 (1), pp. 45-70, 2015.

CHERNOFF, F. 2007. Critical realism, scientific realism, and International Relations theory. Millennium: Journal of international studies, 35(2), pp. 399-407. DOI: 10.1177/03058298070350021701

CIVIL BRICS. 2015. Disponível em: http://www.civilbrics.ru/en/. Acesso em: 28.abr.2017.

COOPER, J. M. Russia as a BRIC: Only a dream? European Research Working Paper Series, n. 13. Birmingham. Centre for Russian and East European Studies, University of Birmingham, 2006.

DANÍVOLA, G. ¿Cómo va a funcionar el Nuevo Banco de Desarrollo de los BRICS? RBTH. 9.jul.2015. Disponível em: http://es.rbth.com/economia/2015/07/09/como_va_a_funcionar_el_nuevo_banco_de_desarrollo_de_los_brics_50813.html. Acesso em: 10.mai.2016.

FORTESCUE, S. The BRICS and Russia. In: LO,V. I.; HISCOCK M. The rise of the BRICS in the global political economy: Changing paradigms? Cheltenham: Edward Elgar, 2014.

GARCIA, A.; BOND, P. Introduction. In: BOND, P.; GARCIA, A. BRICS: An anti-capitalist critique. Sunnyside: Jacana. Pp. 1-14, 2015.

GRAMSCI, A. Selections from the Prison’s Notebooks. Edited and translated by Quintin Hoare and Geoffrey Nowell Smith. New York: International Publishers, 1971.

JANS,. ‘Brics-from-Below’ – counter summit hosted in Durban. EarthLife Africa, 20.mar.2013. Disponível em: http://earthlife.org.za/2013/03/brics-from-below-counter-summit-hosted-in-durban/. Acesso em: 28.abr.2017

KAHLER, M. Rising powers and global governance: negotiating change in a resilient status quo. International Affairs, 89 (3). pp. 711–729, 2013. DOI: 10.1111/1468-2346.12041.

KAHLER, M. Conservative Globalizers: Reconsidering the Rise of the Rest. World politics review, 2.fev. 2016. Disponível em: http://www.worldpoliticsreview.com/articles/17840/conservative-globalizers-reconsidering-the-rise-of-the-rest . Acesso em: 10.mai.2016.

KHALID, A. The power of the BRICS in world trade and growth, analysing the macroeconomic impacts within and across the bloc. In: LO,V. I.; HISCOCK M The rise of the BRICS in the global political economy: Changing paradigms? Cheltenham: Edward Elgar, 2014.

MACFARLANE, N. S. The “R” in BRICs: Is Russia na emerging power? International Affairs, 82 (1), pp.41-57, 2006. DOI: 10.1111/j.1468-2346.2006.00514.x

MEDEIROS, M. A. et all. Cooperação para autonomia? Explicando o paradoxo da política externa brasileira para a Unasul. Rev. Sociol. Polit. 25 (61). pp. 97-123, 2017. DOI: 10.1590/1678-987317256106.

MELLO, P. C. Brasil ficará de fora do Conselho de Segurança da ONU ao menos até 2033. Folha de São Paulo. 17.mar. 2017. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2017/03/1867280-brasil-ficara-de-fora-do-conselho-de-seguranca-da-onu-ao-menos-ate-2033.shtml . Acesso em: 28.abr.2017.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL. I Cúpula: Declaração conjunta. Ecaterimburgo. 16.junho/2009. Disponível em: http://brics.itamaraty.gov.br/pt_br/categoria-portugues/20-documentos/73-primeiro-declaracao. Acesso em: 10 maio 2016.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL .II Cúpula: Declaração. Brasília. 15.abril/2010. Disponível em: http://brics.itamaraty.gov.br/pt_br/categoria-portugues/20-documentos/74-segunda-declaracao-conjunta. Acesso em: 10 maio 2016.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL III Cúpula: Declaração e Plano de Ação de Sanya. Sanya. 14.abril/2011. Disponível em: http://brics.itamaraty.gov.br/pt_br/categoria-portugues/20-documentos/75-terceira-declaracao-conjunta. Acesso em: 10 maio.2016.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL IV Cúpula: Declaração e Plano de Ação de Nova Delhi. Nova Delhi. 29.março/2012. Disponível em: http://brics.itamaraty.gov.br/pt_br/categoria-portugues/20-documentos/76-quarta-declaracao-conjunta. Acesso em: 10 maio 2016.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL V Cúpula: Declaração e Plano de Ação de eThekwini. Durban. 27.março 2013. Disponível em: http://brics.itamaraty.gov.br/pt_br/categoria-portugues/20-documentos/77-quinta-declaracao-conjunta. Acesso em: 10 maio 2016.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL. VI Cúpula: Declaração e Plano de Ação de Fortaleza. Fortaleza. 15.julho 2014. BRICS, art. 5, d, ii, p.5. Disponível em: http://brics6.itamaraty.gov.br/pt_br/categoria-portugues/20-documentos/224-vi-cupula-declaracao-e-plano-de-acao-de-fortaleza. Acesso em: 10 maio 2016.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL. VII Cúpula: Declaração de Ufá. Ufá. 9 julho 2015. Disponível em: http://brics.itamaraty.gov.br/pt_br/categoria-portugues/20-documentos/252-vii-cupula-do-brics-declaracao-de-ufa. Acesso em: 10 maio.2016.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL. Tratado para o Estabelecimento do Arranjo Contingente de Reservas dos BRICS. 2014.Disponível em: http://brics.itamaraty.gov.br/images/ACR%20portugues.pdf. Acesso em: 28.abril.2017

MINISTRY OF EXTERNAL AFFAIRS GOVERNEMENT OF INDIA Brics Bussiness Council. 2016b. Participating companies. Disponível em: http://www.bricsbusinesscouncil.in/confirmed-delegates.php. Aceso em: 28.abril.2017.

MINISTRY OF EXTERNAL AFFAIRS GOVERNEMENT OF INDIA. Agreements between BRICS Develoment Banks, Nova Delhi. 29.março 2012. Disponível em: http://www.brics.utoronto.ca/docs/120329-devbank-agreement.pdf. Acesso em: 10 maio 2016

MINISTRY OF FOREIGN AFFAIRS OF THE PEOPLE'S REPUBLIC OF CHINA. Xiamen Declaration. Brics 2017 China. Disponível em : 4 de setembro de 2017. https://www.brics2017.org/English/Documents/Summit/201709/t20170908_2021.html . Acessado em: 05.novembro.2017.

NEELAKANTAN, S. India used Brics-Bimstec summit to outmanoeuvre Pakistan, Chinese media says. The Times of India. 19.out. 2016. Disponível em: http://timesofindia.indiatimes.com/india/India-used-Goa-Brics-meet-to-outmanoeuvre-Pakistan-Chinese-media-says/articleshow/54933030.cms. Acesso em: 10.mai.2016.

PAUTASSO, D.; ADAM, G.; LIMA, B. R. A política externa da Rússia diante da crise na Síria. Tensões mundiais. 11 (21), pp. 147-168, 2015.

PEOPLE’S FORUM ON BRICS. The New Development Banks: Why AIIB and NDB should be monitored. 2016. Disponível em: https://peoplesbrics.org/2016/10/07/the-new-development-banks-why-aiib-and-ndb-should-be-monitored/. Acesso em: 28.abr.2017.

PEOPLE’S FORUM ON BRICS. Building Solidarities for Social, Economic and Environmental Justice: Goa Declaration of the People’s Forum on BRICS. 14.out. 2016. Disponível em: https://peoplesbrics.org/2016/10/24/goa-declaration-of-the-peoples-forum-on-brics/. Acesso em: 28.abr.2017.

PIJL, K. The Eurasian Union and the BRICS under attack. Paper for the conference, Regional Perspectives for China and its Neighbours, Confucius Institute, Leiden University, 2017.

RAMOS, L. et all. Objetivos, contradições e atuação da África do Sul no G20. Meridiano 47, 13(132), pp. 46-52, 2012. DOI: 10.20889/7131

RAMOS, L.; VADELL, J. Asian Infrastructure Investment Bank (AIIB) and beyond: finance, infrastructure and the seductive claws of the Chinese dragon. Artigo apresentado no congresso da International Studies Association, Atlanta, 2016.

SAJJANHAR, A. Brics, Bismtec and Anti-terrorism: what did India accomplish?.The Diplomat. 25.out.2016 Disponível em: http://thediplomat.com/2016/10/brics-bimstec-and-anti-terrorism-what-did-india-accomplish/. Acesso em: 28.abril.2017.

SEVERO, L. Movimentos sociais debatem Os BRICS na perspectiva dos povos. 15.jul.2014. Disponível em: http://www.rebrip.org.br/noticias/movimentos-sociais-debatem-os-brics-na-perspectiva-dos-povos-624d/. Acesso em: 28.abril.2017.

THE BRICS POST BRICS Bank to lend $2.5 billion in 2017. 17.outubro 2016. Disponível em: http://thebricspost.com/brics-bank-to-lend-2-5-billion-in-2017/#.WATH9-UrIdU. Acesso em: 28.abril.2017.

WAISBICH, T. Diverse voices: A brief account on the civil society spaces at the margins of the 8th BRICS Summit in India: BRICS ‘civilised’ and ‘popular’ spaces. Sexuality Police watch. 29.dezembro.2016. Disponível em: https://sxpolitics.org/diverse-voices-a-brief-account-on-the-civil-society-spaces-at-the-margins-of-the-8th-brics-summit-in-india/16206. Acesso em: 29.abril.2017.

WIGHT, C. Agents, structures and international relations: Politics as ontology. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.