A condição semiperiférica do Brasil na economia mundo capitalista: novas evidências

Helton Ricardo Ouriques, Pedro Antonio Vieira

Resumo


Sob vários indicadores econômicos e sociais, o Brasil ocupa uma posição considerada “intermediária” na economia-mundo capitalista. Dentro do marco teórico da análise dos sistemas-mundo, que fundamenta nossa investigação, o Brasil pode ser considerado um Estado semiperiférico. Essa conceituação foi criada originalmente por Immanuel Wallerstein nos anos de 1970, quando lançou sua principal obra (O moderno sistema-mundial). Posteriormente, o conceito de semiperiferia foi refinado e fundamentado em termos empíricos por Giovanni Arrighi e alguns colaboradores de pesquisa na segunda metade dos anos de 1980. O Brasil, nesses estudos, aparece em alguns períodos como periferia, em outros como semiperiferia. Do nosso ponto de vista, e com base em dados estatísticos e também na interpretação da conjuntura econômica, política e social das últimas duas décadas, é possível afirmar que o Brasil se tornou um importante membro da semiperiferia, embora essa posição possa estar ameaçada pela persistência de problemas estruturais que dificultam acompanhar as mudanças em ciência, tecnologia e inovação, em curso desde a década de 1970. 

 


Palavras-chave


Brasil, semiperiferia, educação, tecnologia.

Texto completo:

PDF

Referências


AMSDEN, Alice. A ascensão do resto. São Paulo, Editora da UNESP, 2009.

Atlas da Complexidade Econômica. Disponível em www.atlas.cid.harvard.edu, consultado em 05.05.2017.

AREND, Marcelo. O Brasil e o longo Século XX: condicionantes sistêmicos para estratégias nacionais de desenvolvimento. In: VIEIRA, Rosângela L. (org.). O Brasil, a China e os EUA na atual conjuntura da economia-mundo capitalista. Marília, Cultura Acadêmica, 2013, p. 135-171.

ARRIGHI, Giovanni; DRANGEL, Jessica. A estratificação da economia mundial:

considerações sobre a zona semiperiférica. In: ARRIGHI, G. A ilusão do desenvolvimento. Petrópolis, Vozes, 1997, p. 137-206.

ARRIGHI, Giovanni. A ilusão desenvolvimentista: uma reconceituação da semiperiferia. In: Arrighi, G. A ilusão do desenvolvimento. Petrópolis, Vozes, 1997, p. 137-206.

ARRIGHI, Giovanni et al. Modeling zones of the World-Economy: a polymonial regression analysis (1964-1994). Paper presented at the 1996 Annual Meeting of the American Sociological Association, 1996.

BARBOSA FILHO, Fernando H.; MOURA, Rodrigo L. Educação e desenvolvimento no Brasil . In: Pereira, L.V.; Veloso, F.; Bingwen, Z. (org.). Armadilha da renda média – visões do Brasil e da China. Rio de Janeiro, Editora da FGV, volume 1, 2013, p. 107-133.

BERNARDES, Roberto. O caso Embraer – privatização e transformação da gestão empresarial: dos imperativos tecnológicos à focalização no mercado. São Paulo, CYTED:PGT/USP, Cadernos de Gestão Tecnológica, n. 46, 2000.

BÉRTOLA, Luis; OCAMPO, José A. Desenvolvimento, vicissitudes e desigualdade: uma história econômica da América Latina desde a Independência. Madrid, Secretaría General Iberoamericana, 2013.

BOLT, J.; VAN ZANDES J. L. The first update of the Maddison Project: re-estimating growth before 1820. Maddison Project, Working Paper 4. Disponível em www.ggdc.net/maddison, 2013.

CASTRO, Ana Célia. Políticas de inovação e capacidades estatais comparadas: Brasil, China e Argentina. In: IPEA, Texto para Discussão, Rio de Janeiro, jul, n. 2106, 2015, 43 p.

CUMINGS, Bruce. The Origins and Development of Northeast Asian political economy: industrial sectors, product cyles and political consequences. In: International Organization, 38, 1, 1984, pp. 1-40. Disponível em bev.berkeley.edu, Acesso em 05.07.2017.

FIORI, José L. O nó cego do desenvolvimento brasileiro. In: Novos Estudos, São Paulo, n. 40, 1994, pp 125-144.

GOLDENSTEIN, Lidia. Repensando a dependência. São Paulo, Paz e Terra, 1994, 173p.

HUMAN DEVELOPMENT REPORT . Human Development for Everyone. 2016 Published for the United Nations Development Programme (UNDP). Disponível em www.hdr.undp.org

IEDI (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial). Uma comparação entre a agenda de inovação da China e do Brasil. São Paulo, novembro, 2011, 21 p.

IEDI (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial). O lugar do Brasil nas cadeias globais de valor. São Paulo, Carta IEDI, n. 578, 28.06.2013, 2013, 20 p.

IPEA. Vozes da nova classe média. Brasília, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2013.

KORZENIEWICZ, Roberto P.; MORAN, Timothy P. . World-economic trends in the distribution of income 1965-1992. American Journal of Sociology, vol. 102, n. 4, 1997, pp. 1000-1039.Disponível em journals.uchicago.edu, Acesso em 14.06.2017.

LIMA, Pedro Garrido C. Posicionamento no sistema mundial e semiperiferia: evidências empíricas por meio de análise exploratória de dados no período 1950-2003. Niterói, Universidade Federal Fluminense, Dissertação de Mestrado, 2007 a.

LIMA, Pedro Garrido C. Posicionamento no sistema mundial e semiperiferia. In: Textos de Economia, Florianópolis, volume 10, número 2, jul./dez., 2007 b, p. 58-85.Disponível em periodicos.ufsc.br/index.php/economia/article/viewFile/1851/1614, Acesso em 10.07.2017.

NONNENBERG, Marcelo J.B. Integração produtiva, fragmentação da produção e evolução do comércio internacional: como evoluíram os países da Ásia e América Latina?. In: Textos para Discussão, IPEA, Rio de Janeiro, n. 1905, dezembro, 2013, 24 p.

OECD. Science, Technology and Industry Outlook 2014. OECD Publishing, 2014, 480 p. Disponível em www.oecd.org/sti/outlook

OURIQUES, Helton R.; SCHMIDT, Cristiane B. O pré-sal no Brasil: oportunidade de ‘upgrading’ ou ilusão desenvolvimentista? In: Século XXI, Porto Alegre, v. 6, n. 2, jul./dez., 2015, p. 13-33. Disponível em seculoxxi.espm.br/index.php/xxi/article/viewFile/118/118, Acesso em 20.06.2017.

PEACOCK, Walter Gillis et al. Divergence and convergence in international development: a decomposition analysis of inequality in the World-system. American Sociological Review, vol. 53, december, 1988, p. 838-852.Disponível em jstor.org/stable/i336569, Acesso em 20.07.2017

PEINADO, Javier M. La semiperiferia como necesidad del capitalismo global: una aproximación a través del análisis factorial. Revista de Economía Mundial, n. 38, 2014, p. 253-272. Disponível em redalyc.org/pdf/866/86632965011.pdf, Acesso em 20.07.2017

PINHEIRO, Maurício C. Inovação no Brasil: panorama geral, diagnóstico e sugestões de política. In: Pereira, L.V.; Veloso, F.; Bingwen, Z. (org.). Armadilha da renda média – visões do Brasil e da China. Rio de Janeiro, Editora da FGV, volume 1, 2013, p. 81-106.

PISA (Programme For International Student Assessment). BRAZIL – Results from PISA 2015. 13 f., Disponível em www.oecd.org.edu/pisa, 2015.

ROMERO, J. et al. The great divide: the paths of industrial competitiveness in Brazil and South Korea. Belo Horizonte, UFMG/CEDEPLAR, 2015, 34 p. [Texto para Discussão, 519]

SENNES, Ricardo U. Potencia média recém industrializada: parâmetros para analisar o Brasil. In: Contexto Internacional, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, 1998. Disponível em contextointernacional.iri.puc-rio.br/media/Sennes_vol20n2.pdf, Acesso em 10.08.2017.

SHIE, Vincent H.; WENG, Chih-Yuan. . Destabilizing the semiperiphery: the counterturn of China’s ascendence in the World-Economy. Perspectives on Global Development and Technoloy, n. 10, 2011, p. 365-385.Disponível em booksandjournals.brillonline.com/content/.../156914911x610367

, acesso em 22.06.2017.

TERLOUW, C.P. The elusive semiperiphery: a critical examination of the concept semipheriphery. International Journal of Comparative Sociology. XXXIV, 1-2, 1993, p. 87-102. Disponível em home.kpn.nl/C.Terlouw5/The%20elusive%20semiperiphery.pdf, acesso em 22.06.2017.

THE OBSERVATORY OF ECONOMIC COMPLEXITY OEC. Disponível em www.atlas.media.mit.edu/Brazil, consultado em 30.08.2017.

THE WORLD BANK. World Bank Open Data. Disponível em data.worldbank.org, Acesso em 20.11.2016.

VIEIRA, Pedro A.; FERREIRA, Luiz Mateus S. O Brasil na atual conjuntura científico-tecnológica da economia mundo capitalista. In: VIEIRA, Rosângela de Lima (Org.). O Brasil, a China e os EUA na atual conjuntura da economia-mundo capitalista. Marília, Oficina Universitária; São Paulo, Cultura Acadêmica, 2013, p. 247-278.

WALLERSTEIN, Immanuel. El moderno sistema mundial – la agricultura capitalista y las orígenes de la economía-mundo europea en el siglo XVI. México, Siglo XXI, 2a ed. aum., vol. 1, 2011, 580p.

WALLERSTEIN, Immanuel. The capitalist World-Economy. New York, Cambridge University Press, 1979, 305p.

WORLD ECONOMIC FORUM. The global competitiveness report 2014-2015. Geneva, 2015, 565p.

ZUNIGA, Pluvia et al. Conditions for innovation in Brazil: a review of key issues and policy challenges. In: IPEA. Institute for Applied Economic Research. Discussion Paper n. 218, Brasília, November, 2016, 102 p.




DOI: https://doi.org/10.21530/ci.v12n3.2017.711

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia