A Diretiva Europeia sobre Aquisições em Segurança e Defesa: Impactos na Logística de Defesa
PDF

Arquivos suplementares

Arquivo suplementar com identificação dos autores
Carta ao Editor

Palavras-chave

Segurança e Defesa
Logística de Defesa
Política de Aquisição
União Europeia
Diretiva Única 2009/81/EC

Resumo

A cadeia de suprimento da logística de defesa tende a ser alvo de forte protecionismo estatal e não faz parte da jurisdição de tratados internacionais. Entretanto, a União Europeia possui uma política única de aquisição em assuntos de segurança e defesa. Ela tem como objetivo, através da diminuição do protecionismo, facilitar o desenvolvimento de um mercado de equipamentos de defesa que iria reduzir a duplicação, aumentar a competição industrial e assim diminuir os preços dos equipamentos dentro do bloco. Todavia, na prática, ocorre a duplicação das capacidades estratégicas dos países. A hipótese do trabalho é que a Diretiva Única 2009/81/EC, relativa a aquisições em segurança e defesa é uma resposta dos países do bloco europeu às pressões de autoajuda do sistema internacional advindas da configuração securitária do pós Guerra Fria. Ela é, portanto, reativa e não ativa às dinâmicas internacionais e é utilizada como instrumento estatal. Todavia, essa característica acaba levando a Diretiva a uma eficiência secundária, pois os países europeus buscam mecanismos para escapar da livre concorrência imposta por ela e para manter certa proteção à capacidade nacional de produção de armamentos sensíveis. O presente trabalho pretende verificar como se estrutura essa política de aquisições na União Europeia - bem como demonstrar os antecedentes que permitiram o seu desenvolvimento.
https://doi.org/10.21530/ci.v12n2.2017.672
PDF

Referências

AIRBUS. A400M: Delivery to the point of need. 2016. Disponível em: <https://airbusdefenceandspace.com/our-portfolio/military-aircraft/a400m/>. Acesso em: 30 ago. 2016.

AIRFORCE TECHNOLOGY. A400M (Future Large Aircraft) Military Transport Aircraft. 2013. Disponível em: <http://www.airforce-technology.com/projects/fla/>. Acesso em: 31 ago. 2016.

ALLISON, G. BREXIT: Defence ties ‘not affected’ say France. 2016. Disponível em: <https://ukdefencejournal.org.uk/brexit-defence-ties-not-affected-say-france/>. Acesso em: 2 jul. 2016.

ALVES, V. C. História de um Envolvimento Forçado. São Paulo: Loyola, 2002.

BARDIN, L. Análisis de contenido. Madrid: Akal, 2002.

COUNCIL OF THE EUROPEAN COMMUNITIES. Commision of the European Communities. Treaty on European Union. Brussels; Luxembourg: Office for Official Publications of The European Communities, 1992. Disponível em: <http://europa.eu/eu-law/decision-making/treaties/pdf/treaty_on_european_union/treaty_on_european_union_en.pdf>. Acesso em: 09 jul. 2015.

CAVALCANTE, R. B.; CALIXTO, P.; PINHEIRO, M. M. K. Análise de Conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Inf. & Soc, João Pessoa, v. 24, n. 1, jan/abr 2014, p.13-18.

DYSON, Tom. Neoclassical Realism and Defence Reform in Post-Cold War Europe. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2010.

EDWARDS, J. The EU Defence and Security Procurement Directive: A Step Towards Affordability? London: Chatham House, 2011. (International Security Programme Paper ISP PP 2011/05).

EUROFIGTHER THYPOON. How Eurofigther Typhoon Operates. 2017. Disponível em: <https://www.eurofighter.com/about-us>. Acesso em: 02 maio 2017.

EUROPEAN COMISSION. A Europe-wide market for defence products is vital if the industry is to survive. 1997. Disponível em: <http://europa.eu/rapid/press-release_IP-97-983_en.htm>. Acesso em: 28 abr. 2017.

EUROPEAN COMISSION. Defence procurement. 2016. Disponível em: <http://ec.europa.eu/growth/single-market/public-procurement/rules-implementation/defence/index_en.htm>. Acesso em: 05 jun. 2016.

EUROPEAN FOREIGN POLICY UNIT. Chronology: The Evolution of a Common EU Foreign, Security and Defence Policy. Brussels: European Union, 2012. Disponível em: <http://www.lse.ac.uk/internationalRelations/centresandunits/EFPU/EFPUpdfs/chronologyEUforpolinstitutions.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2015.

EUROPEAN PARLIAMENT. The impact of the 'defence package' Directives on European defence. Brussels: European Union, 2015. Disponível em: <http://www.europarl.europa.eu/RegData/etudes/STUD/2015/549044/EXPO_STU(2015)549044_EN.pdf>. Acesso em: 19 jul. 2017.

EUROPEAN UNION. Diretivas da União Europeia. 2015. Disponível em: <http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=LEGISSUM:l14527>. Acesso em: 19 jul. 2017.

FLEURANT, A. et al. Trends in International Arms Transfers: 2016. Sipri Fact Sheet, Solna, v. 1, n. 1, fev. 2017, p.1-12,. Disponível em: <https://www.sipri.org/sites/default/files/Trends-in-international-arms-transfers-2016.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2017.

GLAS, A.; HOFMANN, E; EBIG, M. Performance-based logistics: a portfolio for contracting military supply. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, v. 43, n. 2, 2011, p. 97-115.

GOLDONI, L. R. F.; DOMINGOS NETO, M. Perspectivas da cooperação militar entre os BRICS. Tensões Mundiais, v. 10, n. 18, 19, jan./dez. 2014.

GREVI, G.; KEOHANE, D. ESDP resources. In GREVI, G; HELLY, D.; KEOHANE, D. European Security and Defence Policy: the first 10 years (1999-2009). Paris: European Union Institute for Security Studies, 2009. p. 69-114.

HOLTON, P. et al. Trends in International Arms Transfers, 2012. SIPRI Fact Sheet, SIPRI. Stockholm, mar. 2013. Disponível em: <http://www.sipri.org/publications>. Acesso em: 15 nov. 2013.

HOWORTH, Jolyon. Security and Defence Policy in the European Union. Hampshire: Palgrave Macmillan, 2007.

HURA, M. et al. Interoperability: A Continuing Challenge in Coalition Air Operations. Santa Monica: Rand, 2000.

JONES, S. G. The Rise of European Security Cooperation. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

KEOHANE, R. O; NYE, J. S. Power & Interdependence. 4 ed. Longman. 2011.

KING, A. The Transformation of Europe’s Armed Forces: from the Rhine to Afeghanistan. New York: Cambridge University Press, 2011.

KISTERSKY, L. New Dimensions of the International Security System after the Cold War. Stanford: Stanford University, 1996. Disponível em: <http://cisac.fsi.stanford.edu/publications/new_dimensions_of_the_international_security_system_after_the_cold_war>. Acesso em: 01 jul. 2015.

LESKE, A. D. C. Inovação e Políticas da Indústria de Defesa. 2013; 197f. Tese (Doutorado em Economia) - Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

MARKOWNSKI, S.; HALL, P.; WYLIE, R. (Eds.). Defence Procurement and Industry Policy: A small country perspective. London; New York: Routledge, 2010.

MEARSHEIMER, J. J. The False Promise of International Institutions. International Security, Harvard, v. 19, n. 3, 1995, p.5-49. Disponível em: <http://mearsheimer.uchicago.edu/pdfs/A0021.pdf>. Acesso em: 23 set. 2015.

MENDES, F. P. Lakatos, o Realismo Ofensivo e o Programa de Pesquisa Científico do Realismo Estrutural. 2013. 183 f. Tese (Doutorado) - Curso de Relações Internacionais, Instituto de Relações Internacionais, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: <http://www.iri.usp.br/documentos/defesa_13-02-14_Flavio_Pedroso_Mendes.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2017.

MISSIROLI, A. (Comp.). From Copenhagen to Brussels: European Defence: core documents. 67. ed. Paris: Institute For Security Studies, 2003. Disponível em: <http://www.iss.europa.eu/uploads/media/cp067e.pdf>. Acesso em: 14 set. 2015.

MORGENTHAU, H. J. A política entre as nações: a luta pelo poder e pela paz. Brasília: Editora Universidade de Brasília, Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2003.

RANDALL, W. S. Are the Performance Based Logistics Prophets Using Science or Alchemy to Create Life-Cycle Affordability? - Using Theory to Predict the Efficacy of Performance Based Logistics. Defense ARJ, v. 20, n. 3, oct. 2013, p. 325-348.

RINDFLEISCH, A.; HEIDE, J. B. Transaction cost analysis: Past, present, and future applications. Journal of Marketing, v. 61, n. 4, 1997, p. 30-45.

ROSAMOND, Ben. Theories of European Integration. London: Palgrave Mcmillan, 2000.

RUSSELL, S. H. Supply chain management: more than integrated logistics. Air Force Journal of Logistics, v. 35, n. 3/4, 2011, p. 88-99.

RYNNING, Sten. Realism and the Common Security and Defence Policy. Journal of Common Market Studies, Oxford, v. 49, n. 1, jan. 2011, p.23-42.

SALES, R. D. Sistemas de Comando e Controle no Brasil – uma análise das contribuições do Exército Brasileiro. 2016. 164f. Dissertação (Mestrado em Ciências Militares) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Militares, Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro, 2016.

SILVA, G. C. Conjuntura Política Nacional: o Poder Executivo e Geopolítica do Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1981.

SILVA, C. A. V; MUSETTI, M. A. Logísticas militar e empresarial: uma abordagem reflexiva. Revista de Administração, São Paulo, v. 38, n. 4, out./nov./dez. 2003, p. 343-354.

STOCKHOLM INTERNATIONAL PEACE RESEARCH INSTITUTE (SIPRI). TIV of arms exports from the top 20 largest exporters 1989-2016. Disponível em: <http://armstrade.sipri.org/armstrade/page/toplist.php>. Acesso em: 28 abr. 2017.

STOCKHOLM INTERNATIONAL PEACE RESEARCH INSTITUTE (SIPRI). Military expenditure database, 2016. Disponível em <http://www.sipri.org/databases /milex>. Acesso em: 04 outubro 2016.

THE INTERNATIONAL INSTITUTE FOR STRATEGIC STUDIES - IISS. The Military Balance 2009: the annual assessment of global military capabilities and defence economics. New York, 2009.

TRYBUS, M. Buying Defence and Security in Europe: The EU Defence and Security Procurement Directive in Context. Cambridge: Cambridge University Press, 2014.

UNIÃO EUROPEIA. Constituição (2004). Diretiva nº 18, de 31 de março de 2004. Directiva 2004/18/CE do Parlamento Europeu e do Conselho: relativa à coordenação dos processos de adjudicação de determinados contratos de empreitada de obras públicas, dos contratos públicos de fornecimento e dos contratos públicos de serviços. Disponível em: <http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=celex%3A32004L0018>. Acesso em: 19 set. 2017.

UNIÃO EUROPEIA. Constituição (2009). Diretiva nº 81, de 13 de julho de 2009. Directiva 2009/81/ce do Parlamento Europeu e do Conselho: relativa à coordenação dos processos de adjudicação de determinados contratos de empreitada, contratos de fornecimento e contratos de serviços por autoridades ou entidades adjudicantes nos domínios da defesa e da segurança, e que altera as Directivas 2004/17/CE e 2004/18/CE. Disponível em: <http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:32009L0081&from=EN>. Acesso em: 03 jun. 2016.

UNITED KINGDOM. Ministry of Defence. UK and France strengthen defence co-operation. London: Ministry of Defence, 2014. Disponível em: <https://www.gov.uk/government/news/uk-and-france-strengthen-defence-co-operation>. Acesso em: 14 out. 2015.

UNITED KINGDOM. UK–France Summit 2010 Declaration on Defence and Security Co-operation. London: Crown Copyright, 2011. Disponível em: <https://www.gov.uk/government/news/uk-france-summit-2010-declaration-on-defence-and-security-co-operation>. Acesso em: 23 jun. 2015.

UNITED STATES. Export.Gov. Security & Defense Sector. 2017. Disponível em: <http://2016.export.gov/europeanunion/marketresearch/securityanddefensesector/index.asp>. Acesso em: 02 maio 2017.

VENESSON, Pascal; WIESNER, Ina. Process Tracing in Case Studies. In: SOETERS, Joseph; SHIELDS, Patricia; RIETJENS, Sebaastian (Eds.). Routledge Handbook of Research Methods in Military Studies. London: Routledge, 2014, p. 90-101

WALTZ, Kenneth N. Strutural Realism after the Cold War. IN: International Security, Vol. 25, No. 1, Summer 2000, pp. 5-41.

WALTZ, Kenneth N. Teoria das Relações Internacionais. Lisboa: Gradiva, 2002.

WALT, Stephen. Origins of Alliances. Ithaca: Cornell University Press, 1987.

WENDT, Alexander. Anarchy is what States Make of it: The Social Construction of Power Politics. International Organization, Vol. 46, No. 2., Spring, 1992.

YANG, H. et al. Arms or butter: The economic effect of an increase in military expenditure. Journal of Policy Modeling. ScienceDirect. Technology Management, Economics and Policy Program, Seoul National University, Republic of Korea. 2015.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.