Política Externa Independente e a institucionalização das atividades espaciais no Brasil: histórias cruzadas

Renata Corrêa Ribeiro

Resumo


O primeiro país a se lançar ao cosmos foi a União Soviética, ao lançar o satélite Sputnik I, em 1957. A partir de então, o espaço se tornou a nova fronteira para a projeção de prestígio nacional e poderio dos Estados, principalmente EUA e URSS. Posteriormente, diversas nações desenvolveram a tecnologia e passaram a disputar com as duas superpotências o domínio da ciência e do acesso ao espaço. O Brasil foi um dos pioneiros, entre os países em desenvolvimento, a se inclinar para as ciências espaciais. Em 1961, ainda durante o governo de Jânio Quadros, o programa espacial brasileiro começou a tomar uma forma institucionalizada, com a preocupação com a formação de cientistas e o estabelecimento de uma infraestrutura física com institutos de pesquisa e centros de lançamento. Questiona-se, no entanto, o motivo pelo qual as atividades espaciais terem sido iniciadas no Brasil em 1961. O objetivo deste artigo é, portanto, apresentar as razões que levaram à institucionalização das atividades espaciais durante a curta gestão de Jânio Quadros, a partir da criação do GOCNAE, em 1961. Argumenta-se que o caráter arrojado da política externa instituída por esse presidente, a chamada “Política Externa Independente”, possibilitou uma atuação mais pragmática em relação às ciências espaciais.


Palavras-chave


Programa Espacial Brasileiro; Política Espacial; Política Externa Independente; PEI; Jânio Quadros; Yuri Gagarin; GOCNAE

Texto completo:

PDF

Referências


ÁLVARES, Vera Cíntia. Reflexões sobre o surgimento da “Política Externa Independente” na gestão de Jânio Quadros. In: Ensaios de História Diplomática do Brasil (1930-1986) – Cadernos do IPRI n. 2. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 1989.

BRASIL. Decreto n. 51.133 de 3 de Agosto de 1961. Cria o Grupo da Comissão Nacional de Atividades Espaciais e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 1 Nov 2016.

CARVALHO, Himilcon de Castro. Alternativas de financiamento e parcerias internacionais estratégicas no setor espacial. In: FREITAS, W. L. de. (coord.). Desafios do Programa Espacial Brasileiro. Brasília: Presidência da República – Secretaria de Assuntos Estratégicos, 2011. p. 17-40. Disponível em: . Acesso em: 1 Nov 2016.

CERVO, Amado Luiz; BUENO, Clodoaldo. História da Política Exterior do Brasil. 3a ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2010.

CERVO, Amado Luiz. Eixos conceituais da política exterior do Brasil. In: Revista Brasileira de Política Internacional. V. 41, N. spe. Brasília, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291998000300005 Acesso em:

Nov 2016.

COSTA FILHO, Edmilson. Política Espacial Brasileira: A política científica e tecnológica no setor aeroespacial brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

CORREIO DA MANHÃ. O céu é muito escuro e a Terra azulada. Rio de Janeiro: 13.04.1961. Primeira página. 1961a. Disponível em: . Acesso em: 04 Nov 2016.

CORREIO DA MANHÃ. A notícia dia a dia. Rio de Janeiro: 16.07.1961. 1961b. Disponível em: . Acesso em: 04 Nov 2016.

CORREIO DA MANHÃ. A notícia dia a dia. Rio de Janeiro: 18.07.1961. 1961c. Disponível em: . Acesso em: 04 Nov 2016.

CORREIO DA MANHÃ. Gagarin recebe comenda do Mérito Aeronáutico. Rio de Janeiro: 3.08.1961. 1961d. Disponível em: . Acesso em: 04 Nov 2016.

CORREIO DA MANHÃ. Gagarin convidado a visitar SP. Rio de Janeiro: 22.07.1961. 1961e. Disponível em: . Acesso em: 04 Nov 2016.

DA ROSA, Aldo Weber Vieira. Entrevista concedida ao ex-diretor do SindCT (Sindicato dos Servidores de Ciência e Tecnologia), em 2007. Disponível em: http://www.sindct.org.br/?q=node/29. Acesso em 04 Nov 2016.

ESCADA, Paulo Augusto Sobral. Origem, institucionalização e desenvolvimento das atividades espaciais brasileiras (1940-1980). 2005. 129f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2005.

ESTADO DE SÃO PAULO. Astronauta soviético enviado ao espaço regressa depois de circundar a Terra: a humanidade entra na Idade Cósmica. São Paulo: 13.04.1961. Disponível em: . Acesso em: 03 Nov 2016.

FOLHA DE SÃO PAULO. Gagarin recebe convite para vir a São Paulo. São Paulo: 21.07.1961. 1961a. Disponível em: . Acesso em: 03 Nov 2016.

FOLHA DE SÃO PAULO. Gagarin, “honrado” com o convite, chega ao Brasil depois de amanhã. São Paulo: 27.07.1961. Primeiro Caderno. 1961b. Disponível em: . Acesso em: 03 Nov 2016.

FOLHA DE SÃO PAULO. Esperado amanhã no Rio o cosmonauta Gagarin. São

Paulo: 28.07.1961. 1961c. Disponível em:

fsp/1961/07/28/2//4488087>. Acesso em: 03 Nov 2016.

FOLHA DE SÃO PAULO. Gagarin fez conferência, almoçou com jornalistas e falou com governador. São Paulo: 2.08.1961. 1961d. Disponível em: . Acesso em: 03 Nov 2016.

FOLHA DE SÃO PAULO. Entusiasmo à chegada de Gagarin a Brasília; violência contra a imprensa. São Paulo: 30.07.1961, p. 13. 1961e. Disponível em: . Acesso em: 03 Nov 2016.

FRANCO, Álvaro da Costa (Org.). Documentos da Política Externa Independente. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2007.

GATTO, Rubens Cruz. A inovação e o setor público no Brasil: o papel do Estado no desenvolvimento das atividades espaciais no INPE. 2010. 47f. Trabalho de Conclusão de Curso (MBA em Gestão Estratégica da Ciência e Tecnologia em Instituições Públicas de Pesquisa) – Fundação Getúlio Vargas. São José dos Campos: 2010.

GOUVEIA, Adalton. Esboço histórico da pesquisa espacial no Brasil. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE. São José dos Campos: 2003.

JORNAL DO BRASIL. Gagarin chega sábado ao Rio, anuncia Arinos em Brasília. São Paulo: 27.07.1961. 1961a. Disponível em: . Acesso em: 03 Nov 2016.

JORNAL DO BRASIL. Gagarin chega ao Brasil com honras militares e tumulto.

Rio de Janeiro: 30.07.1961. Primeiro Caderno, p. 04. 1961b. Disponível em:

. Acesso em: 03 Nov 2016.

JORNAL DO BRASIL. Gagarin diz que o Brasil pode contribuir nas pesquisas astronáuticas. Rio de Janeiro: 2.08.1961. 1961c. Disponível em: . Acesso em: 03 Nov 2016.

JORNAL DO BRASIL. Toma posse grupo que vai estudar o espaço e começa soltando foguetes. Rio de Janeiro: 23.01.1962. Disponível em: . Acesso em: 04 Nov 2016.

QUADROS, Jânio. Nova Política Externa do Brasil. In: Revista Brasileira de Política Internacional. Ano IV, n. 16, dez 1961.

RODRIGUES, Alexandre. Qual é o problema do programa espacial brasileiro? Galileu. 07 Jan 2015. Disponível em: . Acesso em: 1 Nov 2016.

ROLLEMBERG, Rodrigo. Cenário e perspectivas da Política Espacial Brasileira. In: ROLLEMBERG, Rodrigo (relator); VELOSO, Elizabeth Machado (coord.). A Política Espacial Brasileira. Brasília: Câmara dos Deputados, 2009. Série Caderno de Altos Estudos N. 7. p. 19-84. Disponível em: . Acesso em: 1 Nov 2016.

SANTOS, Reginaldo. O Programa Nacional de Atividades Espaciais frente aos embargos tecnológicos. Parcerias Estratégicas. Vol. 4, N. 07, CGEE/MCT, Outubro/1999, p. 115-128. Disponível em: . Acesso em: 1 Nov 2016.

SANTOS, Paulo Marques dos. Instituto Astronômico e Geofísico da USP: memória sobre a sua formação e evolução. São Paulo: Editora USP, 2005.

SATO, Eiiti. Almirante Álvaro Alberto: a busca do desenvolvimento científico e tecnológico nacional. In: PIMENTEL, José Vicente de Sá. Pensamento Diplomático Brasileiro: formuladores e agentes da política externa (1750-1964). Vol. III, Brasília, Funag, 2013, p. 801-842.

ÚLTIMA HORA. Gagarin sábado no Rio a convite de Jânio. P. 04. Rio de Janeiro: 27.07.1961. 1961a. Disponível em: . Acesso em: 03 Nov 2016.

ÚLTIMA HORA. Jânio estuda (com cuidado) foguetes ianques no Brasil. Rio de Janeiro: 4.08.1961. 1961b. Disponível em: . Acesso em: 04 Nov 2016.

ÚLTIMA HORA. Pesquisas espaciais. Rio de Janeiro: 19.02.1961. 1961c. Disponível em: . Acesso em: 03 Nov 2016.

VISENTINI, Paulo Fagundes. Relações Exteriores do Brasil II (1930-1964): o nacionalismo, da Era Vargas à Política Externa Independente. Coleção Relações Internacionais. 2a ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2009.

WROBEL, Paulo S. Aspectos da Política Externa Independente: a questão do desarmamento e o caso de Cuba. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, Vol. 6, n. 12, 1993, p. 191-209.




DOI: http://dx.doi.org/10.21530/ci.v12n2.2017.660

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia