Expectativas promissoras: comércio e perspectivas de cooperação bilateral nas relações Brasil–União Soviética (1964-1967)

Gianfranco Caterina

Resumo


Este artigo busca compreender a dinâmica das relações entre Brasil e União Soviética logo após o golpe civil-militar de 1964. Apesar da retórica anticomunista, das arbitrariedades e perseguições a elementos considerados subversivos e comunistas brasileiros, o regime que se instalou após a tomada de poder em abril de 1964 permanecia interessado na manutenção de boas relações com a superpotência euroasiática. Argumenta-se que o comércio teve
papel relevante nesse período, levando à busca por uma institucionalização das relações interestatais, visando a retomada das conversações acerca de assistência soviética a grandes projetos de infraestrutura no país. Dentro dessa chave de entendimento, a URSS poderia desempenhar um papel relevante na industrialização do Brasil. Em 1967, o Brasil retomava o posto de principal parceiro comercial da URSS na América Latina (excetuando-se Cuba). No entanto, as cifras eram inferiores em comparação às trocas no biênio 1962-63. Este artigo busca evidenciar como esforços de reaproximação foram importantes para moldar ações de cooperação econômica e estratégica posteriores entre os dois países.


Palavras-chave


Política Externa Brasileira; União Soviética; regime militar

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM NETO, Octavio. De Dutra a Lula: condução e os determinantes da política externa brasileira. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

BARRETO FILHO, Fernando Paulo M. Os Sucessores do Barão: relações exteriores do Brasil, v. 2, 1964-1985. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

BLASIER, Cole. The giant’s rival: the USSR and Latin America, Revised Ed. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 1989.

BRANDS, Hal. Latin America´s Cold War. Cambridge: Harvard University Press, 2010.

BRASIL, MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. A Política Exterior da Revolução Brasileira. Seção de Publicações, “Discurso por ocasião da entrega de diplomas aos candidatos aprovados por concurso à carreira de diplomata”, 31 de julho de 1964, Departamento de Imprensa Nacional, Setor de Publicações, 1966.

CAMPOS, Roberto. A Lanterna na Popa: memórias, 4ª ed., 1ª reimpressão. Rio de Janeiro: Topbooks, 2004.

CERVO, Amado L.; BUENO, Clodoaldo. História da política exterior do Brasil, 3ª ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.

GUEDES, Ciça; MELO, Murilo Fiuza de. O caso dos nove chineses: o escândalo internacional que transformou vítimas da ditadura militar brasileira em heróis de Mao Tsé-tung. Objetiva: Rio de Janeiro, 2014.

HERSHBERG, James. A “Friend of the Revolution” or a “Traitor”? Vasco Tristão Leitão da Cunha, Fidel Castro (and his Sister), and Brazilian-Cuban Relations, 1956-1964, ISA/FLACSO, Buenos Aires, Julho 2014.

KELLER, Renata. Mexico’s Cold War: Cuba, the United States, and the Legacy of the Mexican Revolution. New York: Cambridge University Press, 2015.

LERNER, Mitchell. “Trying to Find the Guy Who Invited Them”: Lyndon Johnson, Bridge Building, and the End of the Prague Spring”. Diplomatic History, Vol. 32, No. 1 (Janeiro 2008), p. 77-103.

MARTINS, Paulo Egydio. Paulo Egydio Conta: depoimento ao CPDOC/FGV. Organização Verena Alberti, Ignez Cordeiro de Farias, Dora Rocha. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2007.

MILLER, Nicola. Soviet relations with Latin America, 1959-1987. Cambridge: Cambridge University Press, 1989 (2009).

OPATRNÝ, Josef. et al.. Las Relaciones entre Checoslovaquia y América Latina, 1945-1989, en los Archivos de la República Checa. Praga: Universidad Carolina de Praga, Editorial Karolinum, 2015.

PECEQUILO, Cristina S.; LUQUE, Alessandra A. Multilateralismo e bilateralismo: Os padrões estratégicos das Relações entre o Brasil e a Rússia In LESSA, Antônio Carlos; OLIVEIRA, Henrique A. (orgs.). Parcerias estratégicas do Brasil: a dimensão multilateral e as parcerias emergentes, Volume II. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

PRIZEL, Ilya. Latin America through Soviet eyes: the evolution of Soviet perceptions during the Brezhnev era, 1964-82. Cambridge: Cambridge University Press, 1990 (2008).

QUINTELLA, Thereza Maria M. (Org.). Brasil-Rússia: o fortalecimento de uma parceria. Brasília: FUNAG, 2005.

RICUPERO. Rubens. A diplomacia na construção do Brasil, 1750-2016. Rio de Janeiro: Versal, 2017.

RUPPRECHT, Tobias. Socialist high modernity and global stagnation: a shared history of Brazil and the Soviet Union during the Cold War. Journal of Global History, Vol. 6, No. 3, Novembro 2011 p. 505-528.

SAVRANSKAYA, Svetlana; TAUBMAN, William. Soviet Foreign Policy, 1962-1975 in The Cambridge History of the Cold War, Volume II, Crises and Détente, editado por Melvyn P. Leffler and Odd Arne Westad. Cambridge, Cambridge University Press, 2011, no. 7, p. 134-157.

SILVA, André Luiz R. Interdependência, Segurança e Desenvolvimento: a Política Externa do Governo Castello Branco In SILVA, André Luiz R.; SVARTMAN, Eduardo M. (coords.). Política externa brasileira durante o regime militar (1964-1985). Curitiba: Juruá, 2014.

VIZENTINI, Paulo F. A política externa do regime militar brasileiro: multilateralização, desenvolvimento e a construção de uma potência média (1964-1985). Porto Alegre: Ed. Da Universidade/UFRGS, 1998.

WESTMANN, Gustavo (org.). Novos olhares sobre a política externa brasileira. São Paulo: Contexto, 2017.




DOI: https://doi.org/10.21530/ci.v13n2.2018.773

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia