Ideologia explica tudo? O embate no legislativo brasileiro em matérias de política externa

Rodrigo Santiago

Resumo


De acordo com a literatura especializada, a unidade entre os partidos políticos aumenta a credibilidade da política externa, na medida em que o presidente não fica dependente de ciclos majoritários dentro do parlamento. Essa seria uma estratégia utilizada para afastar o perigo de um oponente estrangeiro explorar as disputas partidárias da arena doméstica em negociações internacionais em situações de crise. No entanto, em algumas circunstâncias, percebe-se momentos de embates que podem ser lidos, majoritariamente, como disputas
ideológicas, mas também, a partir da clivagem governo versus oposição e dos interesses federativos dos congressistas. Este trabalho foca nas discussões em plenário e nos pareceres contrários — momentos de conflito — no Congresso Nacional brasileiro entre os anos de 1988 e 2014. Utilizou-se o método da análise de conteúdo e da técnica da análise de correspondência para explicar esse cenário.


Palavras-chave


Partidos Políticos; Política Externa; Legislativo; Ideologia; Interesses Federativos

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIN NETO, O.. (2000), Gabinetes Presidenciais, Ciclos Eleitorais e Disciplina Legislativa no Brasil. Dados, vol. 43, nº 3, pp. 479-517.

BOROUCHE, J. M. & SAPORTA. G.. (1982), Análise de dados. Zahar Editores. Rio de Janeiro.

BUDGE, I. et alli.. (2001), Mapping policy preferences: estimates for parties, electors, and governments 1945-1998. New York: Oxford University Press.

CAMPOS, L. A.. (2014), A identificação de enquadramentos através da análise de correspondências: um modelo analítico aplicado à controvérsia das ações afirmativas raciais na imprensa. Opinião Pública, Campinas, v. 20, n. 3, p. 377-406.

CARREIRÃO, Y.. (2006), Ideologia e partidos políticos: um estudo sobre coligações em Santa Catarina. Opinião Pública (UNICAMP. Impresso), Campinas, v. 12, n.1, p. 136-163.

DOWNS, A.. (1999), Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: EDUSP.

FIGUEIREDO, A. & LIMONGI, F.. (1999), Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. São Paulo: Editora FGV.

FIGUEIREDO, A. & LIMONGI, F.. (2007), Instituições políticas e governabilidade: desempenho do governo e apoio legislativo na democracia brasileira. In: C. R. Melo e M. Sáez (org.), A democracia brasileira: balanço e perspectivas para o século 21. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

GROSSMAN, G. M. & HELPAN, E.. (1994), Protection for Sale. The American Economic Review, vol. 84, No 4, pp. 833-850.

HAGER, G. L. & TALBERT, J. C.. (2000), Look for the Party Label: Party Influences on Voting in the U.S. House”. Legislative Studies Quarterly, vol. 25, nº 1, pp. 75-99.

HIX, S. & NOURY, A.. (2011), Government-Opposition or Left-Right? The Institutional Determinants of Voting in Legislatures. Working Paper, London School of Economics, London, May. Disponível em: http://personal.lse.ac.uk/hix/Working_Papers/Hix-Noury-GOorLR-23March2012.pdf. Acesso em: 24.mar.2013.

KEGLEY, C. & WITTKOPF, E.. (1995), American Foreign Policy: Pattern and Process. New York, St. Martin´s Press.

KINZO, M. D.. (1993), Sistema eleitoral e partidos políticos no Brasil. In: F. Konrad-Adenauer (Ed.). Sistema de Governo, Legislação Partidária e Eleitoral em Países do Cone Sul. São Paulo: Fund. Konrad-Adenauer. Sistema eleitoral e partidos políticos no Brasil.

KLINGEMANN, H. et al.. (1994), Parties, policies, and democracy: Theoretical lenses on public policy. Boulder: Westview Press.

KLINGEMANN, H. et al.. (2006), Mapping Policy Preferences II: Estimates for parties, electors, and governments in Eastern Europe, European Union and OECD 1990-2003. Oxford, Oxford University Press.

LAVER, M. & BUDGE, I.. (1992), Party policy and government coalitions. New York, N.Y.: St. Martin's Press.

LEONI, E.. (2000), “Ideologia, Democracia e Comportamento Parlamentar: A Câmara dos Deputados no Brasil Pós-Constituinte.” Tese de mestrado apresentada na Universidade de Brasília, Brasil.

LEONI, E.. (2002), Ideologia, democracia e comportamento parlamentar: a Câmara dos Deputados (1991- 1998). Dados, Rio de Janeiro, v. 45, n. 3, p. 361- 386.

MADEIRA, R. & TAROUCO, G.. (2011), Esquerda e direita no Brasil: uma análise conceitual. Revista Pós Ciências Sociais, v. 8, p. 171-185.

MAINWARING, S., MENEGUELLO, R. & POWER, T.. (2000), Partidos conservadores no Brasil contemporâneo: quais säo, o que defendem, quais são suas bases. São Paulo: Paz e Terra.

MAIR, P.. (2001), Searching for the Positions of Political Actors. In: LAVER, M. (ed.). Estimating the Policy Positions of Political Actors. New York: Routledge.

MARENCO, A.. (2001), Sedimentação de lealdades partidárias no Brasil: tendências e descompassos. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo , v. 16, n. 45, p. 69-83.

MARENCO, A. & SERNA, M.. (2007), Por que carreiras políticas na esquerda e na direita não são iguais? Recrutamento legislativo em Brasil, Chile e Uruguai. Revista Brasileira de Ciências Sociais (Impresso), v. 22, p. 93-113.

MARKS, Gary et. al.. (2006), Party Competition and Europeans Integration in the East and West: Different Structure, Same Causality. Comparative Political Studies, vol. 39, No. 2, pp. 155-175.

MCCORMICK, J. & WITTKOPF, E.. (1990), Bipartisanship, Partisanship, and Ideology in Congressional – Executive Foreign Policy Relations, 1947-1988. The Journal of Politics, vol. 52, No 4, pp. 1077-1100.

MELO, C. R. F.. (1999), “Retirando as Cadeiras do Lugar: Migração Partidária na Câmara dos Deputados (1985/1998).” Tese de Doutorado, UFMG.

MILNER, H. & JUDKINS, B.. (2004), Partisanship, Trade Policy, and Globalization: Is There a Left-Right Divide on Trade Policy? International Studies Quarterly, vol. 48, pp. 95-119.

OLIVEIRA, A. J.. (2013), Partidos políticos e política externa: o comportamento legislativo na Câmara de Deputados, 1995-2009. 56 p. São Paulo: Centro de Estudos das Negociações Internacionais, USP, maio.

PEREIRA, J. C.. (2004), Análise de dados Qualitativos: Estratégias Metodológicas para as Ciências da Saúde, Humanas e Sociais. São Paulo: EDUSP.

POOLE, K. & ROSENTHAL, H.. (1997), Congress: A Political-Economic History of Roll Call Voting. New York, Oxford University Press.

PRZEWORSKI, A.. (1988), A social-democracia como fenômeno histórico. Lua Nova, São Paulo, n. 15, p. 41-81.

RAY, E. J.. (1981), The Determinants of Tariff and Nontariff Trade Restriction in United States. Journal of Political Economy, vol. 89, pp. 105-121.

RIBEIRO, P. F.. (2012), “Comportamento legislativo e Política Externa na América Latina.” Tese de Doutorado, Departamento de Ciência Política – USP, São Paulo.

RIBEIRO, P. F., PEREIRA NETO, M. & OLIVEIRA, A. J.. (2007), Política de Comércio Exterior, Ideologia Partidária e Interesses Locais: um estudo sobre o caso chileno. Revista Cena Internacional, vol.9, No 2, pp. 33-57.

ROBERTSON, D. B.. (1976), A theory of party competition. London ; New York: J. Wiley.

RODRIGUES, L. M.. (2002). Partidos, ideologia e composição social: um estudo das bancadas partidárias na Câmara dos Deputados. São Paulo: EDUSP.

SCHONHARDT-BAILEY, C.. (2006), From the Corn Laws to Free Trade. Interests, Ideas and Institutions in Historical Perspectives. Cambridge, MA: MIT Press.

SINGER, A.. (2002), Esquerda e direita no eleitorado brasileiro: a identificação ideológica nas disputas presidenciais de 1989 e 1994. São Paulo, SP, Brasil: EDUSP: FAPESP.

TAROUCO, G.. (2007), “Os Partidos e a Constituição: ênfases programáticas e propostas de emenda.” Tese de Doutorado, IUPERJ.

TAROUCO, G. & MADEIRA, R.. (2013), Partidos, programas e o debate sobre esquerda e direita no Brasil. Revista de Sociologia e Política (UFPR. Impresso), v. 21, pp. 149-165.

TAROUCO, G. & MADEIRA, R.. (2015), Os partidos brasileiros segundo seus estudiosos: análise de um expert survey. Civitas - Revista de Ciências Sociais, v. 15.

THÉRIEN, J-P. & NOEL, A.. (2000), Political Parties and Foreign Aid. The American Political Science Review, vol. 94, nº 1, pp. 151-162.

ZUCCO JR., C.. (2009), Ideology or What? Legislative Behavior in Multiparty Presidential Settings. The Journal of Politics, v. 71, p. 1076-1092.

ZUCCO JR., C.. (2011), Esquerda, Direita e Governo: A ideologia dos partidos políticos brasileiros. In: Power, Timothy; Zucco Jr., Cesar. (Org.). O Congresso Por Ele Mesmo. Belo Horizonte: UFMG, pp. 37-60.




DOI: https://doi.org/10.21530/ci.v13n2.2018.764

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia