Diplomacia federativa: o Estado brasileiro e a atuação internacional de suas Unidades Constituintes

Resumo

Desde os anos 1990, o fim do conflito bipolar e a aceleração de fenômenos de transnacionalizaçãoestremecem a ordem internacional centrada no Estado. As relações internacionais exigem novas práticase a recomposição de paradigmas teóricos. Neste contexto, unidades subnacionais buscam com cada vezmais intensidade estabelecer contatos com entes estrangeiros desenvolvendo iniciativas de inserçãointernacional freqüentemente independentes das políticas do Estado. A chancelaria brasileira, diante destecenário, mostra-se preocupada: busca responder aos novos desafios que a cercam e, pela primeira vez,reconhece a necessidade de considerar a dimensão subnacional no processo decisório da política externabrasileira. Este trabalho pretende analisar o processo que culmina, em 1995, na criação da DiplomaciaFederativa, política de Estado concebida para aproximar a chancelaria brasileira de governos subnacionais;incorporar a dimensão subnacional na elaboração e execução da política externa brasileira e permitir acoordenação da atuação internacional de unidades subnacionais brasileiras.
PDF

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.