A divisão internacional do trabalho no século XXI: um estudo sobre o peso da propriedade intelectual na relação EUA – América Latina
PDF

Arquivos suplementares

A divisão internacional do trabalho no século XXI: um estudo sobre o peso da propriedade intelectual nas relações EUA - América Latina

Palavras-chave

Propriedade intelectual
GATT/OMC
Estados Unidos
América Latina

Resumo

Desde os anos 1980, no âmbito do que ficou conhecido como Consenso de Washington, os Estados Unidos, seja através de pressão bilateral seja por uma atuação multilateral no âmbito do GATT/OMC, conseguiu impor um padrão internacional de proteção à propriedade intelectual que beneficia diretamente os seus interesses comerciais. Nos países latino-americanos, depois de uma resistência inicial, os direitos de propriedade intelectual foram aceitos como parte de uma política necessária de modernização econômica que garantiria a esses países uma inserção ativa na então chamada “sociedade do conhecimento”. Partindo desse diagnóstico geral, o presente artigo pretende avaliar um aspecto da inserção dos países latino-americanos na divisão internacional do trabalho, durante o século XXI, sob a ótica particular dos direitos de propriedade intelectual.
https://doi.org/10.21530/ci.v10n3.2015.306
PDF

Referências

Referências

ARROW, Kenneth J. 1959. Economic Welfare and the Allocation of Resources for Invention. Santa Monica, CA: RAND Corporation, 1959. Disponível em: http://www.rand.org/pubs/papers/P1856.

BATISTA, Paulo Nogueira. 1994. O consenso de Washington: a visão neoliberal dos problemas latino-americanos. 1994. In. LIMA SOBRINHO, Barbosa et alli. Em defesa do interesse nacional: desinformação e alienação do patrimônio público. São Paulo, Paz e Terra.

BEA. 2015. Bureau of Economic Analysis. U.S Department of Commerce. US Economic Accounts. International. Disponível em: http://www.bea.gov/iTable/iTable.cfm?ReqID=62&step=1#reqid=62&step=1&isuri=1

BENKLER, Yochai. 2006. The wealth of networks: how social production transforms markets and freedom. Yale: Yale University Press.

CARLOTTO, Maria Caramez. 2013. Veredas da mudança na ciência brasileira: discurso, institucionalização e práticas no cenário contemporâneo. São Paulo: Editora 34/Scientiae Studia.

CARLOTTO, Maria Caramez & ORTELLADO, Pablo. 2011. Activist Driven Innovation: uma história interpretativa do software livre. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.26, p. 77-102.

CARLOTTO, Maria Caramez; GUEDES PINTO, José Paulo & REIS, Cristina Fróes de Borja. 2015. TPP: made in U.S.A. Le Monde Diplomatique Brasil. v. 101, p. 30 – 31.

CALLON, Michel. 1994. Is science a public good? Science, Technology, & Human Values, 19, 4, p. 395-424.

CALLON, Michel & MUNIESA, Fabian. 2008. La performativité des sciences economiques. Papiers de recherché du Centre de Sociologie de l´innovatio, n. 10, p. 1-23.

CAMPBELL-KELL, Martin & ASPRAY, William. 2006. Computer: a history of the information machine. Nova York, Basic Books.

CHANG, Ha-Joo. 2001. Intellectual property rigths and economic development: historical lessons and emerging issues. Journal of human development, v. 2, n. 2, 287-309.

CIMOLI, Michael.; DOSI, Giovanni.; NELSON, Richard. & STIGLITZ, Joseph. 2006. Institutions and policies shaping industrial development: an introductory note. Laboratory of Economics and Management, Sant´Anna School of Advanced Studies, Working Paper, n.2. Disponível em: <http://www.lem.sssup.it/WPLem/files/2006-02.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2013.

CORIAT, Benjamin. 2002. “O novo regime de propriedade intellectual e sua dimensão imperialista: implicações para as relações norte/sul”. In. BNDES. 2002. Desafios do crescimento: instituições, investimentos, competitividade e tecnologia. Rio de Janeiro: BNDES. p.375-396.

DÍAZ, Rafael. 2008. América Latina y Caribe: la propiedad intelectual después de los tratados de libre comercio. Santiago do Chile: CEPAL.

DRAHOS, Peter. 1995. Global property rights in information: the story of TRIPS at GATT. Prometheus, v. 13, n.1, p. 6-19.

DRAHOS, Peter. 2010. The global governance of knowledge. Cambridge: Cambridge University Press.

DRAHOS, Peter & BRAITHWAITE, John. 2002. Information feudalism: who owns the knowledge economy? Londres: Earthscan Publications Ltd.

FORBES. 2015. The World’s Biggest Public Companies List. Disponível em: http://www.forbes.com/global2000/

GODIN, Benoît. 2004. The new economy: what the concept owes to OCDE. Research Policy, n.33, p. 679-90.

GPOPAI-USP. 2010. Estimativas do impacto de cópias não autorizadas de livros e discos sobre a produção industrial brasileira: aspectos políticos e revisão metodológica. São Paulo, Cadernos Gpopai.

GUEDES PINTO, José Paulo. 2011. No ritmo do capital: indústria fonográfica e subsunção do trabalho criativo antes e depois do MP3. Tese de doutorado em Economia pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

HUSSON, Michel. 2004. Dos contribuiciones a “El marxismo frente al capitalismo contemporâneo.In: Cahiers de critique communiste,.

IMF. ELIBRARY. 2015. Data IMF E-library2015. Disponível em: http://elibrary-data.imf.org/

LÊNIN, Vladimir Ilicht Ulianov. 1985. O imperialismo: fase superior do capitalismo. 3. ed. São Paulo, SP: Global.

LINS, Daniel & WACQUANT, Loïc. (orgs.). 2003. Repensar os Estados Unidos. Por uma sociologia do superpoder. Campinas, Papirus.

MARX, Karl. 2014. O capital, volume 1: Crítica da economia política: Livro primeiro: O processo de produção do capital. 33ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

MENEZES, Henrique Zeferino de. 2015ª. Agenda Maximalista dos Estados Unidos em Propriedade Intelectual. Caderno CEDEC, v. 119, p. 1-48.

MENEZES, Henrique Zeferino de. A Estratégia Norte-Americana de Forum Shifting para Negociação de Acordos TRIPS-Plus com Países da América Latina. Contexto Internacional (on-line), v. 37, p. 435-468.

MENEZES, Henrique Zeferino de; BORGES, L. C.; CARVALHO, P. H. M. 2015. Regime Internacional de Propriedade Intelectual: imposição normativa estadunidense através de das claúsulas TRIPS-plus. Revista de Estudos Internacionais, v. 6, p. 69-88.

MENEZES, Henrique Zeferino de; CARVALHO, P. H. M. 2015. O Trans-Pacific Partnership Agreement na agenda de propriedade intelectual dos Estados Unidos. Meridiano 47 (UnB), v. 16, p. 29-36.

METRI, Maurício. 2015. Diplomacia Triangular, Arábia Saudita e a Defesa do Dólar nos Anos Setenta. In: 5o Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais - ABRI, 2015, Belo Horizonte. Anais do 5º Encontro da ABRI.

MICHAUS, Martin. 2009. Propriedad intelectual en el tratado de libre comercio de América del Norte. XV Aniversario. Jurídica. Anuario del Departamento de Derecho de la Universidad Iberoamericana, n.39, Sección de Previa.

MOWERY, David et al. 2001. The growth of patenting and licensing by U.S. universities: an assessment of the effects of the Bayh–Dole act of 1980. Research Policy, v. 30, p. 99-119.

MOWERY, David et al. 2002. Academic patent quality and quantity before and after the Bayh–Dole act in the United States. Research Policy, v. 31, p. 399-418.

MOWERY, David & ROSENBERG, Nathan. 2005. Trajetórias da inovação: a mudança tecnológica nos Estados Unidos da América no século XX. Campinas: Editora Unicamp..

NELSON, Richard. 1959. The simple economics of basic scientific research. Journal of Political Economy, n. 6, p. 297-306.

NETANEL., Weinstock (Org). 2009. The development agenda: global intellectual property and developing countries. Oxford: Oxford University Press.

NYE, Joseph. 2004. Soft Power: The Means to Success in World Politics. New York: Public Affairs.

PRADO, Eleutério F. S. 2005. Desmedida do valor: crítica da pós-grande indústria. São Paulo: Xamã.

RABINOW, Paul. 1993. Cortando as amarras: fragmentação e dignidade na modernidade hoje. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.8, n. 23.

SANTOS, Laymert Garcia dos. 2003. Politizar as novas tecnologias. O impacto sociotécnico da informação digital e genética. São Paulo. Editora 34.

SHARIF, Naubahar. 2006. Emergence and Development of the national innovation systems concept. Research Policy, n. 35, p. 745-66.

SHERWOOD, Robert. 1992. Propriedade intelectual e desenvolvimento econômico. São Paulo. EDUSP.

SIWEK, S. E. 2004. The economic contribution of copyright-based industries in USA. Paris: WIPO.

SIWEK, S. E. 2013. Copyright Industries in the U.S. Economy: The 2013 Report, prepared for the International Intellectual Property Alliance (IIPA). Novembro 2013. Disponível em: .

SUNSHINE, Fabio. 2005. El derecho de propiedad intelectual internacional. Cuardernos Nuestra América, 23, p. 35-6.

TACHINARDI, Maria Helena. 1993. A guerra das patentes. O conflito Brasil X EUA sobre propriedade intelectual. Rio de Janeiro: Paz e Terra.3.

TAVARES, Maria da Conceição. 1997. A retomada da hegemonia norte-americana. In. TAVARES, Maria da Conceição & FIORI, José Luiz. Poder e dinheiro: uma economia política da globalização. Petrópolis, Vozes.

UNCTAD. 1968. Proceedings of the United Nations Conference on Trade and Development. Nova Delhi: UN. Disponível em: < http://unctad.org/en/Docs >

WIKILEAKS. 2015. TPP Treaty: Intellectual Property Rights Chapter. Disponível em: < https://wikileaks.org/tpp-ip3/ >

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.